Para entender os conceitos propostos pela Doutrina Espírita é preciso estudar.

E mesmo que a literatura espírita seja farta, com inúmeros títulos – muitos deles equivocadamente identificados como “espírita” -, não adianta. O ideal é beber diretamente na fonte: a Codificação Espírita.

Saiba mais, acompanhando este artigo que a equipe Café com Kardec preparou para você!

Afinal, onde encontramos os fundamentos da Doutrina Espírita?

O gênio Leonardo da Vinci, dizia que “aprender é a única coisa que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende”. De fato, o ser humano renasce potencialmente inclinado a aprender, necessitando de estímulos constantes para o aprendizado.

Quando se trata da Doutrina Espírita não é diferente. É preciso estudar os fundamentos doutrinários para que possamos conhecê-los, aplicá-los e, dependendo de nossa atuação na Casa Espírita, compartilhá-los com outras pessoas.

Mas onde encontramos esses fundamentos? A resposta é uma só: nas obras que compõem a Codificação Espírita!

São cerca de 8 mil páginas elaboradas a partir de um meticuloso método adotado e seguido pelo professor francês Allan Kardec, durante seu trabalho que durou entre 1855 e 1869 – saiba mais no próximo tópico.

Todas as demais obras e autores, muitos deles excelentes e importantes para o nosso conhecimento doutrinário, precisam ser lidos/estudados a partir do conteúdo das obras kardequianas.

Havendo conflito entre os outros autores e os livros da codificação, ficamos com a base – sempre! Isso é essencial para mantermos a Coerência Doutrinária.

Conheça as obras que compõem a Codificação Espírita

Existem muitas pessoas no meio espírita que limitam à Codificação Espírita à 5 livros. Eles, claro, são fruto do trabalho do Professor Rivail e entram para a lista, mas ela é mais extensa.

Na verdade, todo livro que leva a assinatura do líder espírita, faz parte da Codificação, base do Espiritismo. Veja quais são eles:

  1. O Livro dos Espíritos (1857)
  2. Revista Espírita– coleção disponível em coletâneas anuais, entre 1858 e 1869 (sendo que Kardec foi o editor até o volume de abril de 1869)
  3. O que é o Espiritismo (1859)
  4. O Livro dos Médiuns (1861)
  5. O Espiritismo em sua expressão mais simples (1862)
  6. O Evangelho segundo o Espiritismo (1864)
  7. O Céu e o Inferno (1865)
  8. Viagem Espírita em 1862 (1867)
  9. A Gênese (1868)

Somam-se a esses títulos o interessante Catálogo Racional de Obras para se Fundar uma Biblioteca Espírita, de abril de 1869, e  outras obras menos conhecidas que foram também publicadas no Brasil: O Principiante Espírita (editora O Pensamento) e A Obsessão (editora O Clarim).

Dica: confira artigo que mostra como identificar se um livro é espírita ou não!

Codificação Espírita: como estudar?

O movimento espírita brasileiro, ao longo dos anos, sempre teve preocupação em oferecer aos novos adeptos o acesso aos conceitos espíritas e, assim, surgiram variados materiais e formas de estudar o Espiritismo dentro das instituições.

Cada uma delas, com suas características, ajudaram (e ainda ajudam) a propagar a mensagem espírita e, portanto, tem seus méritos e merecem nosso respeito.

Contudo, nada substitui o estudo diretamente na fonte: as obras da Codificação Espíritas, resultado do trabalho do Casal da Codificação, Allan Kardec.

Para Paulo Castanheira (integrante da equipe Café com Kardec), os livros de Kardec são fonte pura.

Se não estudarmos a Codificação, usaremos métodos, vocabulários e conceitos que não são doutrinários e, consequentemente, não estaremos aprendendo Espiritismo. Por outro lado, ao estudarmos Kardec aprendemos com o Espírito da Verdade, Santo Agostinho, Sócrates, Platão, Lamennais, São Luís, Erasto, Fénelon, etc”, diz ele.

Também é importante que o estudo seja feito em grupos, onde mesmo havendo uma pessoa mais experiente coordenando, todos ajudem na construção do conhecimento, fazendo colocações, tirando dúvidas, enriquecendo o debate.

Além disso, não é preciso ter pressa. Tampouco, deve haver afalsa ideia de que estudar a obra uma vez é suficente. Não é!

A profundidade da Codificação Espírita permite que façamos o estudo de cada obra várias vezes. E, em todas elas, encontremos novos ensinamentos – natural, tendo em vista que nosso conhecimento vai se ampliando e nosso alcance também.

Esse conceito vale também para estudo de crianças e jovens, conforme observa Álvaro Ramos, também aqui desta nossa equipe: “o conteúdo deve ser apresentado observando e respeitando a idade e capacidade de compreensão de cada um”.

A equipe de Café com Kardec também acredita e recomenda que os estudos doutrinários sejam feitos diretamente nos livros codificados por Allan Kardec.

Por esse motivo, disponibiliza a maior parte das obras da Codificação Espírita para você. Acesse no link abaixo e bom estudo!

CODIFICAÇÃO ESPÍRITA

Share This