O que é um programa de rádio espírita? O que é um programa de rádio? Ou, ainda, o que faz as pessoas ouvirem um programa de rádio/áudio, como os chamados ‘podcasts’?

Evidente que o primeiro motivo para ouvir um áudio, seja ao vivo ou uma gravação, é a possibilidade de fazê-lo ao mesmo tempo que se executa alguma outra tarefa. O que não é possível quando se trata de vídeo, pois a imagem é parte integrante e exige atenção constante.

Para isso, o tema do áudio precisa ser bem descrito, de modo que a pessoa tenha interesse em acompanhar e, naturalmente, incorporar alguma informação que vá ser apresentada.

E aqui entramos em uma questão fundamental: cada pessoa terá um tipo de ‘programação’ como seu foco específico.

Assim, há os que gostam de notícias gerais, ou especialmente as sobre política, esportes, cultura, saúde, as que optam por um programa de rádio espírita, etc.

As possibilidades são inúmeras, inclusive em relação à forma de apresentação, a combinação de vários temas e abordagens, a qualidade das vozes, da correção do idioma, dicção, e mais uma quantidade de aspectos.

Por essas razões é que existem muitos ‘locais’ com programação em áudio, seja na Internet, no rádio e ainda em forma de discos ou fitas ou qualquer outro suporte.

Contrariando a visão de muitos, o rádio continua firme

A despeito de que, ao surgir cada nova forma de transmitir informação (seja qual for), se dizer que as anteriores desaparecerão, sempre há pessoas que continuam utilizando aquelas formas que passam a ser tratadas como ‘antigas’.

Assim, ainda existem os jornais, os livros, as fotografias, os filmes, os discos digitais e analógicos, mesmo com a concorrência dos computadores de todos os tipos. Inclusive os muito portáteis na forma de telefones móveis, os celulares ‘inteligentes’ (smartphones).

E a experiência de um meio de comunicação é muito diferente dos demais, nunca sendo possível afirmar que um é totalmente superior a outro.

Nesse contexto da comunicação social percebe-se a importância do meio rádio (pela irradiação ou pela Internet) como um dos instrumentos utilizáveis para a difusão dos conceitos espíritas.

E aqui ressurge a questão: o que é um programa de rádio espírita? Seria a transmissão de uma reunião espírita, simplesmente? Uma leitura de mensagens, mediúnicas ou não? Palestras? Ou se deve utilizar os conhecimentos técnicos atuais para a realização de uma programação atraente?

Quanto aos temas, devem ser exclusivamente doutrinários, ou podemos usar assuntos do cotidiano? Acompanhe no próximo tópico!

Considerações sobre um programa de rádio espírita

Ao planejar a pauta de um programa de rádio espírita é preciso definir qual é o público em foco, ou seja, a que pessoas queremos nos dirigir. Sem essa definição não é possível estabelecer uma programação.

E se quisermos difundir o conhecimento espírita, deveremos tratar de temas que digam respeito às pessoas no geral, não especificamente às espíritas.

Mas não devemos esquecer destas. Então o temário, como de qualquer outro programa, deve ser cuidadosamente balanceado, permitindo a um não espírita entender o que se está apresentando e a um espírita captar detalhes mais ‘profundos’.

E tudo isso, como as demais ações sociais, dependem da época em que se faz o programa – desde o linguajar até os temas e a forma de apresentação serão diferentes hoje do que se faria um século atrás.

O programa de rádio espírita criado por Cairbar Schutel

No estado de São Paulo, por exemplo, tivemos um ‘desbravador’, chamado até de Bandeirante do Espiritismo (à parte os conceitos negativos aos bandeirantes de nosso passado), Cairbar de Souza Schutel.

Na década de 1930, quando o meio rádio era ainda jovem, Cairbar deslocava-se de Matão, onde residia e mantinha intensa atividade, até Araraquara para realizar um programa de rádio espírita chamado Conferências Radiofônicas.

Nessas apresentações radiofônicas Cairbar, em forma de palestra, expressava sua convicção sobre a imortalidade do espírito, sua comunicabilidade, evolução, reencarnação, o Criador. Enfim, os conceitos organizados e estabelecidos no Espiritismo.

Na época e na região em que aconteciam não havia, que seja de nosso conhecimento, levantamento de penetração e resultados desse trabalho. Mas estamos certos que muitos tomaram conhecimento da doutrina Espírita por esse meio, mesmo porque não havia muitas opções para informar-se e obter cultura.

Programa Momento Espírita, desde 1972 nas ondas do rádio

Cairbar usou o rádio entre 1936 e 1937. A ele seguiram-se muitos outros programas de rádio espírita, com intuito sempre de difundir o Espiritismo.

Assim, foi ao ar pela primeira vez em 5 de março de 1972, às 6h30, com duração de 25 minutos, o programa Momento Espírita, com produção e apresentação de membros da USE – União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo.

Necessário registrar que o programa tem recebido, desde sua primeira edição, todo o apoio da emissora Rádio Boa Nova (inicialmente Rádio Difusora Hora Certa de Guarulhos) e da FEAL, sua mantenedora. Tanto no que respeita a aspectos técnicos, como no campo doutrinário.

Atualmente o programa tem início às 12h00, com duração de 45 minutos, sempre aos domingos – também é possível acessar os programas gravados pelo site.

Diferente de muitos programas espíritas que havia na época, e ainda os há, em que apenas se lêem mensagens e fazem orações, como se fossem religiosos, desde o início Momento Espírita coloca em debate temas doutrinários e atuais. Sempre sob a ótica das obras fundamentais, legadas pelo professor que conhecemos pela alcunha de Allan Kardec.

Além dos estudos, o programa informa sobre o movimento espírita, estimulando os ouvintes a se integrarem a esse movimento, especialmente os que estão incumbidos da direção das entidades espíritas.

E isso porque o próprio Allan Kardec chama a atenção para a importância de não nos isolarmos, pois nesse caso cada pequeno grupo, ao longo do tempo, criaria uma doutrina própria, repleta de ‘novidades’ que distorceriam o sentido abrangente e fraterno do ensino dos espíritos. Além de faltarem à fraternidade que deve aproximar todos, nos estudos e nas experiências.

Momento Espírita é construído por várias pessoas

Já são quase 50 anos, em que cerca de 80 participantes deram sua contribuição voluntária para a manutenção desse trabalho. Torna-se, portanto, um dos programas de rádio espírita que há mais tempo encontra-se no ar, de forma ininterrupta.

Da mesma forma que outras tarefas, como as reuniões públicas ou privativas nos centros espíritas, e o atendimento aos que chegam com dúvidas, dores ou angústias, Momento Espírita tem recebido a dedicação de estudiosos do Espiritismo para manter esse importante canal de comunicação com a sociedade.

Sua importância é atingir, como nos idos dos anos 1930, as pessoas que têm curiosidade (ou necessidade) de saber mais a respeito da vida espiritual, mas por qualquer razão não podem ou não conseguem ir a uma casa espírita.

Momento Espírita não substitui os centros espíritas, e nem pretende. Mas a esses que alcança tem levado a mensagem de esclarecimento e, por isso, de conforto, frente a desafios da vida material que os levariam a situações de sofrimento, como desentendimentos familiares, separações, a partida de um ente querido e até suicídio.

E muitos desses, após o contato com a Doutrina por meio de um programa de rádio espírita, vão ao encontro de casas que os acolhem e oferecem oportunidade de trabalho no meio espírita.

Nenhum trabalho é maior que outro, nenhum programa é melhor que outro, mas Momento Espírita tem seu papel e todos os envolvidos com ele buscam desempenhar sua tarefa de forma a acolher todos os ouvintes. Diversos deles acompanhando e colaborando com o programa desde há vários anos.

Por isso, aos ouvintes de hoje e de ontem, nosso agradecimento por sua audiência e apoio.

E você, já ouviu o programa de rádio espírita que vai completar 50 anos? Conte para gente o que acha de Momento Espírita!

Share This