“Em que mundo estamos vivendo?” Essa é uma pergunta comum em qualquer roda de conversa, para expressar indignação por algo que está acontecendo na sociedade, que ao nosso entender, é absurda – o racismo, por exemplo.

E vamos tentar respondê-la, tendo como base os ensinamentos da Codificação Espírita. Acompanhe!

Diferentes graus de evolução dos Espíritos

Voltando à pergunta que deu início a este texto, a Doutrina Espírita explica para nós essa questão tão usada em O Evangelho Segundo o Espiritismo – Capítulo III – Há muitas moradas na casa de meu Pai – Mundos de Expiações e Provas, item 15:

A Terra, conseguintemente, oferece um dos tipos de mundos expiatórios, cuja variedade é infinita, mas revelando todos, como caráter comum, o servirem de lugar de exílio para Espíritos rebeldes à lei de Deus. Esses Espíritos têm aí de lutar, ao mesmo tempo, com a perversidade dos homens e com a inclemência da Natureza, duplo e árduo trabalho que simultaneamente desenvolve as qualidades do coração e as da inteligência. É assim que Deus, em sua bondade, faz que o próprio castigo redunde em proveito do progresso do Espírito. – Santo Agostinho. (Paris, 1862.)

Dando continuidade à procura por uma resposta aos acontecimentos vividos em nosso planeta, vemos que em O Livro dos Espíritos – Parte Segunda, Capítulo I, Diferente ordens de Espíritos, na pergunta 96 -, Allan Kardec questiona os Espíritos:

São iguais os Espíritos, ou há entre eles qualquer hierarquia?

Resposta: “São de diferentes ordens, conforme o grau de perfeição que tenham alcançado.”

Na pergunta 99, o líder espírita, Allan Kardec, pergunta: “Os da terceira categoria são todos essencialmente maus?

Resposta: “Não; uns há que não fazem nem o mal nem o bem; outros, ao contrário, se comprazem no mal e ficam satisfeitos quando se lhes depara ocasião de praticá-lo. Há também os levianos ou estouvados, mais perturbadores do que malignos, que se comprazem antes na malícia do que na malvadez e cujo prazer consiste em mistificar e causar pequenas contrariedades, de que se riem.”

Os apontamentos acima já dão uma ideia de como os diferentes graus evolutivos interferem nas ações das pessoas. Mas, sugiro a leitura integral da Escala Espírita, a partir do item 101 (em O Livro dos Espíritos), onde há a explicação da existência de três ordens de Espíritos

E seguindo nossa linha de raciocínio, vamos para o capítulo IX, Parte Segunda da obra inaugural do Espiritismo – Influência oculta dos Espíritos em nossos pensamentos e atos, perguntas 459 e 460:

459 – Influem os Espíritos em nossos pensamentos e em nossos atos?

Resposta: “Mais do que imaginais, pois com bastante frequência são eles que vos dirigem.”

460 – De par com os pensamentos que nos são próprios, outros haverá que nos sejam sugeridos?

Resposta: “Vossa alma é um Espírito que pensa. Não ignorais que muitos pensamentos vos acodem a um tempo sobre o mesmo assunto e, não raro, contrários uns dos outros. Pois bem, no conjunto deles estão sempre de mistura os vossos com os nossos. Daí a incerteza em que vos vedes. É que tendes em vós duas ideias a se combaterem.”

Diante do exposto, podemos refletir melhor sobre os acontecimentos que deram o título a este artigo, no próximo tópico.

Racismo nos EUA: mais um triste episódio

Em 25 de maio tivemos um episódio triste de racismo, ocorrido nos EUA.

George Floyd, negro, de 46 anos, foi morto por um policial de Minneapolis, que prensou seu pescoço contra o asfalto enquanto outros 3 policiais assistiam e o homem preso ao chão repetia que não estava conseguindo respirar.

O motivo: Floyd havia sido detido sob suspeita de ter tentado usar uma nota falsa de US$ 20 em um supermercado.

Os quatro policiais foram afastados da polícia e o agente que prensou Floyd, Derek Chauvin, foi preso e acusado de homicídio culposo (sem intenção). A providência, necessária por tratar-se de um crime, não foi suficiente para a família de Floyd que, em comunicado, aprovou a detenção do agente, apesar “de tardia” e insuficiente.

Uma violência, que não tem como negar, inclusive destacando que a ação seria por racismo do policial, já que George Floyd era negro, desencadeou uma avalanche de protestos carregados de violência e depredação.

Um emocionante pedido de perdão

Contudo, mesmo diante de um fato tão lamentável, uma cena se destacou. Em matéria que tem como título: “Emocionante pedido de perdão: Policiais se ajoelham e rezam Com Manifestantes” vemos policiais ajoelhados junto aos cidadãos que oravam em frente à delegacia, pedindo desculpas pelos atos de seus colegas de farda.

Estas ações mostram que mesmo existindo aqueles que propagam o ódio (e o racismo, por exemplo), seja individualmente ou coletivamente, há também os que propagam o bem nas mesmas condições.

Cada um de nós tem a capacidade de decidir o que fazer em determinadas situações. Somos nós que usamos nosso livre-arbítrio para escolher, mesmo tendo as sugestões de tantos Espíritos desencarnados, incentivando a praticar o bem ou o mal.

No entanto, no final, sempre seremos responsáveis pelo caminho que escolhermos e suas consequências. Isso faz parte da evolução de cada um!

Gostou deste artigo? Deixe seus comentários e aproveite para ler também:

Porque o preconceito é contrário aos ensinamentos espíritas

Share This